A Campanha do Desarmamento

“- Perdeu, véio! Desce do carro e pro chão. Passa a aliança…”

Meu pesadelo se materializava: assaltantes armados, a ponte levadiça levantada, a princesa dormindo tranquila no interior do castelo… O sol ainda não nascera, 6 da manhã.

Ato contínuo, o vagabundo abriu o carro, que ficara atravessado na rua, e retirou um celular e uma bolsa contendo um velho laptop e obrigou-me a me levantar e ir em direção ao interior da casa, o que para mim era inconcebível. O bandido, “de menor” era um franzino adolescente que foi conduzindo-me dizendo que só queria saber quem estava na casa. Eu sentia as duas mãos dele me tocando, o que significava que dera a arma ao comparsa.

Avaliei a situação, considerando a presença de uma arma de fogo na cena e a perspectiva de ter ladrões armados dentro do castelo. Quando ficamos fora da visão do primeiro vagabundo, virei-me e, aos gritos, ataquei o vagabundo visando a traqueia. O capacete o protegeu, mas ele perdeu o equilíbrio e correu. Eu gritava com todos os pulmões: “Pega Ladrão! Pega ladrão!” Ele correu, montaram na moto e se escafederam.
Por pura sorte, ou porque o piloto estivesse mais preocupado em manobrar a moto para a fuga, eles não dispararam nenhum tiro. Corremos grande risco, mas a invasão do castelo era algo inconcebível.

Esse evento levou-me à decisão de aderir à campanha do desarmamento. Possuo algumas armas registradas, uma sem registro herdada de meu sogro e alguns exemplares de coleção, peças velhas enferrujadas, uma garrucha antiga, “dois tiros e uma corrida”, com uma bela coronha de madeira entalhada mas que na mão de um vagabundo poderia ser usada para intimidar, visto que ninguém discute com uma arma.
Assim, dirigi-me ao Distrito Policial do bairro para informar-me sobre a campanha.

Aí começou a pantomima terceiro-mundista.

O distrito policial, pasmem, apesar de inscrito como posto de recolhimento de armas da campanha, não dispunha de senha de acesso ao sistema da campanha de desarmamento! Ou seja, não estavam “credenciados” para recolher as armas. O funcionário que me atendeu disse ter a impressão de que a Guarda Municipal – a GCM – mais conhecida como Guarda de Cemitérios e Mausoléus, estava credenciada.
Ato contínuo, liguei para o Comando da GCM, expliquei a situação, fui transferido para uma simpática assessora que informou:

1 – Os números de telefone da Inspetoria do Butantã;

2 – O nome do Inspetor encarregado: Inspetor Ivan – que há algum tempo fora transferido para outra inspetoria, ou seja, nem o Comando da GCM sabe quem são os encarregados das inspetorias.

3 – Informou que a GCM poderia, inclusive, enviar uma viatura até minha residência para retirar as armas, evitando assim que eu transitasse com as peças (mesmo com a guia de transporte da Polícia Federal, há sempre um risco.) Achei genial, porque considerando a limitada jurisdição da GCM – guarda de próprios municipais, cemitérios e mausoléus, – eles estariam fazendo alguma coisa de útil.

Liguei, em seguida, para a Inspetoria do Butantã, onde constatei que o Inspetor Ivan foi transferido há algum tempo para outra unidade, e conversei com o encarregado do recebimento de armas da campanha. Ele contradisse a informação do Comando da Guarda de que uma viatura pudesse ser deslocada para coleta das armas. Informou que o novo Inspetor era Aldo, mas que ele estava em gozo de licença, e que não havia ninguém além dele que pudesse autorizar tal deslocamento.

Tudo bem. Brazil! Zil! Zil! Fora o sinal de desorganização e falta de unificação de informações, ainda restava a emissão da guia de transporte da PF e a condução das peças à Inspetoria da Guarda de Cemitérios.

Nesse momento, decidi entregar somente armas registradas e o revolver que herdei de meu sogro. As armas antigas, eu as desmontei completamente e vou descartar peça por peça no lixo reciclável, ou vou fazer uma escultura-quadro em homenagem à campanha do desarmamento.

Aproveitei para fazer uma coisa que adoro fazer: desmontar coisas. Procurei no Youtube um vídeo “Como desmontar um rifle Winchester 3030 e remover o percursor” e achei um muito bom. O modelo era o que mais se aproximava da Carabina Rossi Lever Action .38 que eu possuo.

Desmontei completamente o mecanismo (só não mexi nos canos, porque era muito primário. Um parafuso só) e remontei. O gatilho deu um trabalhão, porque a mola soltou e eu não conseguia recolocar a mola no suporte. Examinei cuidadosamente a peça e descobri um pequeno furo na haste e – EUREKA! – percebi como eles montam. Passei um pino pelo furo e girando a mola, ela foi retraindo até ficar todinha encolhida. Depois de montado, retirado o pino, o mecanismo funcionou.

Também deu um trabalhão alinhar o furo do gatilho e do cão com o corpo da arma, mas no final essa parte ficou perfeita. Só não consegui montar uma peça da alimentação da arma que sobrou no final da montagem. Não fazia mal, porque a arma será, pelo menos teoricamente, destruída.
Por via das dúvidas, esmerilhei o pino do percursor, e assim capei a arma. Agora é o Belo Antonio… Os outros dois revólveres também passaram pelo mesmo tratamento – esmerilhei o percursor do cão, inutilizando as armas. Se forem desviadas – nunca se sabe – quem as receber vai, pelo menos, ter algum custo para consertá-las.

Uma vez decidido quais armas seriam rendidas ao governo, emiti as competentes guias de transporte e dirigi-me à Inspetoria da Guarda de Cemitérios e Mausoléus para realizar a entrega.

Sexta-Feira. 17:30 hs. Pergunte: Conseguiu entregar? Não, naturalmente. Mas, um funcionário informou que eu poderia voltar no domingo, quando o armeiro estaria de plantão e receberia as armas. Como a guia de transporte vencia no dia 8, segunda-feira, preferi passar pelo posto no domingo, pois segunda é sempre mais complicado.

Domingo. 10:00hs. Pergunte: Consegui entregar? Não, naturalmente. Dessa vez o funcionário estava de plantão, mas eles não recolhem armas aos domingos. O sistema da PF não funcionava, a xerox estava fechada e não seria possível emitir os comprovantes de entrega. Depois de ouvir a lenga-lenga de reclamações contra a PF que teria mudado o protocolo, perguntei se poderia trazer na segunda feira, e fui informado de que também não seria possível por problema de plantão do encarregado.

Perguntei se poderia então levar na terça-feira e se ele poderia perguntar ou pedir ao Inspetor a autorização para recolher as armas em domicílio.

Terça-Feira. Liguei de manhã e fui informado que o Inspetor Aldo não se encontrava e também que não seria possível entregar as armas, mesmo que emitisse a guia de transporte, porque o armeiro encarregado da recepção estava de guarda e não poderia deixar o seu posto.

Liguei novamente à tarde e finalmente eles concordaram em mandar uma viatura recolher as armas. Confesso que insisti nisso por uma questão de princípio apenas, porque de toda forma tive que acompanhar a viatura em meu carro para ultimar a entrega no posto de recolhimento. Eu podia ter emitido novas guias de trânsito e ido até lá sem problemas.

A entrega foi finalmente realizada e os vouchers no valor total de R$ 600.00 me foram entregues como indenização pelas armas rendidas.

Como podem ver, uma ideia que pode até ser boa (não vou discutir os aspectos políticos dela) encontra percalços na execução, diante da desorganização e desinformação dos órgãos envolvidos.

Agora, só me resta desapegar da última arma que possuo – uma PT57 linda – e rendê-la também ao governo…

Anúncios

Restaurantes Usam Psicologia de Menu para fazer você gastar mais dinheiro: Aqui estão 7 técnicas para evitar ser feito de bobo

Tradução J. Filardo

Por Melissa Kravitz/AlterNet

Especialistas desconstroem o processo de criação de menu para ajudá-lo a pedir o que você realmente deseja.

O que você preferiria pedir? Uma tigela de macarrão com queijo de $ 10 ou uma fritada de massa cozida com quatro queijos artesanal coberta com pão ralado de $ 12?
Para muitos, o jantar está nos detalhes. O fraseado, colocação, preço e outros elementos menos óbvios de apresentar cada prato em um menu de restaurante podem influenciar um pedido de refeições de forma que os clientes não têm sequer consciência.
“Seres humanos são criaturas visuais, antes que vejamos ou cheiremos qualquer coisa, nós olhamos para ela”, diz Cenk Fikri, diretor e fundador da consultoria de restaurantes Cenk Fikri Inc., que consulta chefs para projetar menus que vendem pratos com uma grande margem de lucro.
O Instagram ajudou nas habilidades dos clientes de visualizar e predeterminar se um prato vale a pena pedir antes mesmo de pisar no restaurante. Recentemente, encontrei dois colegas para o almoço, nenhum dos quais abriu o menu do restaurante em que nenhum de nós já havia estado antes, já que o popular aplicativo de compartilhamento de fotos já havia guiado suas escolhas de refeições. Mas o layout e os gráficos estrategicamente atraentes, ainda que sutis em um menu, podem ter uma influência muito maior sobre seu pedido do que você percebe.
Pronto para sair do ciclo de gastos elevados da psicologia do cardápio? Deixe os especialistas desconstruírem o processo de criação do cardápio para ajudá-lo a comer o que você realmente anseia durante sua próxima refeição fora de casa.

 

Leia mais em:  Psicologia de Cardápio

A Arte da Memória e Maçonaria

Tradução J. Filardo

por Clarence A. Anderson

O Pensador, Rodin

Quando um candidato entra no caminho iniciático da Maçonaria, uma das primeiras coisas que ele descobre é que há uma grande quantidade de memorização envolvida. Os oficiais executam o ritual de memória, e longas palestras memorizadas lhe são apresentadas. Finalmente, talvez para sua consternação, ele descobre que deve memorizar um diálogo antes que possa avançar para o próximo grau.

Por que a memorização é tão importante em Maçonaria? Como a prática de decorar o ritual entra na Maçonaria? A memorização ainda tem valor nos tempos modernos? Considerando a importância tradicionalmente dada à memória na Maçonaria, surpreendentemente pouco foi escrito sobre isso. Uma busca em enciclopédias maçônicas e livros de referência revela praticamente nada.

Leia mais em:

A Arte da Memória e Maçonaria

A regra dos 20%

Aplicando o segredo de Benjamin Franklin e Isaac Newton

Tradução J. Filardo

Por Zat Rana

Brincando na interseção de ciência, arte e negócios. Eu escrevo para reduzir o ruído.
http://www.designluck.com. CNBC, Business Insider interno, World Economic Forum, etc.

O termo Eureca foi usado pela primeira vez pelo matemático grego Arquimedes.

Ele estava entrando no banho quando percebeu que o nível da água aumentou quando ele entrou na banheira. Sua constatação repentina foi que o volume de água deslocada devia ser igual ao volume da parte de seu corpo que ele submergiu.

Conforme se conta, ele gritou“Eureca!”duas vezes em seguida, para comemorar. A palavra agora é comumente usada para reconhecer uma descoberta repentina ou invenção.

Leia Mais em A Regra dos 20%

8 coisas que médicos de Pronto Socorro se recusam a ter em suas casas

Tradução José Filardo

Por Lisa Lombardi / Health.com

Médicos de Pronto Socorro veem todos os tipos de coisas macabras, que nos deixam pensando: Quais produtos eles consideram tão perigosos que eles proíbem em suas próprias casas e quintais? Aqui estão os itens de uso diário que mais assustam esses profissionais de linha de frente.

Ler mais: https://bibliot3ca.wordpress.com/8-coisas-que-medicos-de-pronto-socorro-se-recusam-a-ter-em-suas-casas/

O Ebola é assustador, mas estas seis coisas são muito mais assustadoras

Tradução: José Filardo

A maioria dos americanos não está correndo tanto risco. Aqui estão os verdadeiros assassinos.

Larry Schwartz – AlterNet

15/10/2014 |

 

O Ebola é assustador. Sem dúvida. Agora que um segundo profissional de saúde de Dallas foi diagnosticado com Ebola, muitas pessoas estão justificadamente assustadas com a terrível doença – particularmente trabalhadores de saúde que poderiam encontrar-se cuidando pacientes com Ebola. Na África Ocidental, o vírus está se espalhando e nem de longe sob controle.

No entanto, a maioria dos americanos simplesmente não está correndo muito o risco de contrair Ebola, embora você não saiba vindo da mídia. A América não viu alimentação do medo nesta escala desde os primeiros dias da crise da AIDS na década de 1980. Então, como agora, uma doença pouco compreendida tornou as pessoas com medo de até mesmo estar na mesma vizinhança de uma vítima infeliz. Tal como acontece com AIDS, rumores e paranoia começaram a circular.

Na Geórgia, lar dos Centros de Controle de Doenças, o governador Nathan Deal anunciou que as pessoas devem simplesmente lavar as mãos, porque a água mata o vírus Ebola. (Errado. alvejante com cloro mata o vírus) O cantor Chris Brown twittou para seus mais de 13 milhões de seguidores que a Ebola foi desencadeada como forma de controle populacional. (Errado, escusado dizer.) O comentarista de rádio de direita Michael Savage vomitou que Obama estava enviando soldados para a África não para ajudar na crise, mas para infectar os soldados que poderiam trazer o vírus de volta para os Estados Unidos e acabar com os americanos. Sério, gente, vamos com calma.

É claro, os Estados Unidos não têm um monopólio de rumores perigosos e teorias malucas. Na Nigéria, abundam os rumores de que o Ebola nem sequer existe. Obviamente errado. Na Libéria, um país que está sendo esmagado sob a propagação da doença, há um rumor de que beijar uma vítima morta de Ebola lhe imunizará. (Muito errado: Ele provavelmente vai contaminá-lo.) Enquanto a Fox News, CNN, as grandes redes de televisão e estações de notícias locais estão comprando e promovendo a histeria, espalhando pânico enquanto ignora os médicos reais, pesquisadores e profissionais de saúde, mesmo quando os entrevistam. Jon Stewart no Daily Show do Comedy Central de forma bastante brilhante espetou esse  “jornalismo” irresponsável na semana passada.

Ebola é uma doença muito mortal. Não há dúvida de que merece o respeito temeroso que recebe. Mas é hora, pelo menos para os americanos (e para a maior parte do mundo, na verdade, fora da África Ocidental), de dar um passo atrás, respirar profundamente, e ganhar alguma perspectiva. Três casos de Ebola no Texas representam um apocalipse zumbi bastante precário. Um dos casos foi diretamente exposto ao Ebola na Libéria. Os outros dois estiveram em contato com o paciente como cuidadores. Profissional de saúde depois de profissional de saúde nos assegurara, repetidamente: O Ebola é muito difícil de “pegar”. Ponto. A menos que sangue, vômito, ou outro fluido corporal da vítima entre em seu corpo através de seus olhos, boca, nariz ou ferida aberta, você não “pega” o Ebola. Ele não é transmitido através do ar.

O colunista do New York Times, Frank Bruni, entrevistou recentemente Jeffrey Duchin, presidente da Comissão de Saúde Pública da Sociedade para Doenças Infecciosas da América. “As pessoas ficam com muito medo e estressadas e têm muita ansiedade com coisas como Ebola que não são um risco geral para a saúde. Basta olhar para as causas de morte nos Estados Unidos. Tudo é maior do que o Ebola, e há coisas que podemos fazer em relação a muitas delas”, disse Duchin, sensatamente colocando as coisas em perspectiva.

Os americanos tendem a se preocupar muito com doenças com as quais eles não devem se preocupar, enquanto, ao mesmo tempo, não se preocupam com as ameaças muito reais à sua saúde.

  1.  De acordo com o CDC , quase 48% das mortes nos EUA são causadas por câncer e doenças cardíacas. A principal causa de câncer é, de longe, o tabagismo, ainda assim, 25% dos americanos fumam. Mais de 3,5 milhões de casos de câncer de pele são diagnosticados a cada ano e 10 mil pessoas morrem que ainda perseguem o bronzeado e economizam em filtro solar.
  2. A melhor maneira de prevenir a doença cardíaca é exercício e alimentação balanceada, mas a América é cercada por uma epidemia de obesidade, com mais de 78 milhões de pessoas consideradas obesas, incluindo 1 em cada 5 crianças com menos de 19 anos de idade. Em vez de frutas e verduras, ainda comemos hambúrgueres e batatas fritas.
  3. A quinta maior causa de morte em os EUA é por acidente de carro. Muitos, se não a maioria dessas mortes são evitáveis ​​simplesmente usando o cinto de segurança, no entanto, inúmeros americanos se queixam do desconforto do cinto de segurança e abrem mão de usá-lo.
  4. A gripe é a sétima principal causa de morte em os EUA e quase completamente evitável simplesmente tomando a vacina contra a gripe anualmente. Em vez disso, estamos diante de um movimento anti-vacina crescente que se propaga a falsidade completa de que as vacinas causam autismo.
  5. Mais de 88 mil mortes por ano estão relacionadas com o consumo de álcool, e metade delas são devidas a bebedeira. De acordo com o CDC, 38 milhões de adultos bebem sem parar, pelo menos, quatro vezes por mês (em média oito bebidas cada vez), e a maioria não é alcoólatra. Por livre escolha, essas pessoas enchem a cara e saem matando milhares de pessoas inocentes.
  6. A violência armada é uma praga nacional, em que milhares de pessoas perdem suas vidas para que a NRA “defenda” nosso direito de possuir armas e matar milhares de pessoas consagrando na segunda emenda.

O ponto de tudo isso é que podemos compreensivelmente nos preocupar com o Ebola, sem perder a perspectiva. Ebola não é a coisa com que se preocupar. Políticos de direita, que ignorantemente falam de colocar em quarentena toda a África (que os profissionais de saúde têm alertado tornaria mais difícil controlar a doença, e não mais fácil), e sobre crianças que trazem o Ebola através da fronteira da América Central (onde o Ebola é desconhecido), e sobre lavar as mãos com água para matar o Ebola, estaríamos mais bem servidos se eles voltassem sua influência para as coisas que realmente matam os americanos. Até agora, pelo menos, o Ebola não é um deles.

 

Dedicado aos brasileiros com complexo de viralatas…

 

Brasil, verde amarelo azul branco e vermelho

 

Por Rémi Babinet – DIRETOR DE CRIAÇÃO DA BETC

 

Tradução: José Filardo

 

 

O primeiro choque, em São Paulo, é o tamanho. Quase 20 milhões de habitantes, uma das maiores e mais estranhas cidades do mundo. Engolida pela janela do táxi, inúmeros edifícios te afogam em inúmeros tons de cinza quente: percorre-se em cada rua, do preto ao branco ou do branco ao preto, a extensão da gama de miscigenação no Brasil. O motorista me disse que existem dezenas de adjetivos para descrever as diferentes cores desta mestiçagem. O segundo choque, especialmente para um publicitário é a ausência de publicidade. O tráfego comeu as calçadas e encheu as ruas sem pedestres ou cartazes. Será este o mundo de antes? O mundo de antes das megacidades sobrecarregadas de informações e publicidade. Ou o mundo a partir de agora?

Este é claramente o novo mundo que se forma no Brasil atual, aquele onde a informação sabe circuar de maneira invisível, e a comunicação se faz discreta e fina. Na publicidade, há duas escolas. A escola anglo-saxã que moldou os mitos da publicidade moderna, desenvolveu o conceito de agência e o atual processo de reflexão e criação. E uma escola brasileira, que inova, vira a mesa e invade regularmente as maiores recompensas da publicidade global. É essa escola que a BETC vem buscar ao se instalar em São Paulo há três meses depois de se estabelecer em Londres dois anos antes. Porque não há nada mais excitante para uma agência criativa que sentir-se crescer em tal terreno.

O quarto país mais conectado do mundo, o Brasil está se tornando rapidamente esta nação muito informada, exigente e participativa, cada dia mais consciente de seus problemas bem como de seus pontos fortes e suas belezas. Hoje, fazendo uso maciço e extenso da mídia digital, os brasileiros se mobilizam. E esses protestos não são apenas algo dos grandes centros urbanos, mas também das cidades pequenas em todo o país. É o gênio sem limites dessa nova mídia: ela leva e toca muito longe, e, ao mesmo tempo, ajuda as pessoas a estar mais perto de suas próprias comunidades. Ela desorganiza, reorganiza, transforma. Normalmente, confinados em suas bases estreitas, as culturas locais viajam e colidem com a mídia de massa. Para atender a essas expectativas de mudança, as mídias mudam seu tom. Tudo se torna mais claro, mais desafiador, mais envolvente. Sem as mídias digitais, por exemplo, ninguém teria sido capaz de medir o grau de mobilização em todo o país, e o governo poderia facilmente neglicenciar a magnitude de desaprovação. Este concerto de novas mídias transforma profundamente o país, acelerando tanto a sua introspecção e sua abertura para si mesmo, definindo melhores cidadãos, melhores carreiras e um monte de pessoas conectadas à sociedade como um todo.

É facilmente compreensível que o Brasil fascine a França e, de fato, o Brasil ama a nossa cultura como nós amamos a dele. Nós somos, brasileiros e franceses, impregnados de culturas fortes e amamos brilhar no mundo. E nós temos tantos pontos em comum: o amor pela beleza e ao futebol, a vontade de conciliar o capitalismo e a redistribuição social, o gosto pela intervenção diplomática, a paixão das ruas por protestar ou por fetejar, criatividade. Também compartilhamos as mesmas fragilidades: o protecionismo, a burocracia. Entre nós, há um arco verde amarelo azul branco vermelho, uma fronteira comum, além daquela da Guiana Francesa.

Brasileiros e franceses têm muito em comum. Mas, em seu mesmo gosto pela transformação, eles não marcham no mesmo passo. E se a França entrasse na dança?

 

Mas para nos determos sobre um ponto sensível nesse gosto que temos em comum pela transformação, nessa aptidão que o mundo ainda reconhece de a França propor revoluções, não marchamos no mesmo passo. O que ouvimos ali é a ebulição em todos os cruzamento da sociedade de uma força coletiva. Para citar apenas uma área, emblemática da criação – a arquitetura – não são menos que 80 mil arquitetos reinventando a cidade, explorando novos modelos, de arquitetura empírica a arquitetura pobre, passando pela arquitetura participativa. O que se sente no Brasil, é em última análise, uma juventude em todos os momentos, que faz desse país um lugar central no mundo para observar e experimentar a revolução planetária.

Há um lado dionisíaco no movimento criativo brasileiro, adequado a este momento de grandes transições. Depois de algum tempo a arte de encadear os ciclos, misturar gêneros, passar da resistência à resiliência, desacelerar e acelerar, como se o mais (decisivo) fosse o movimento, o ritmo e a energia, não importando a ordem. De modo a fascinar nosso lado apolíneo, adepto da clareza, dos sistemas e de sua fixidez. Nietzsche escreveu que estas duas forças instintivas opostas governam a arte e a criação. E se a França se deixasse levar na dança?

 

Publicado na Revista Challenges (www.challenges.fr) – Ed No. 392 – Junho/2014